.: Desastres naturais em mim

‎”A única maneira de teres sensações novas é construires-te uma alma nova” Fernando Pessoa

 

Um dia ao acordar vi que a estante que fica em frente a cama estava tombada, como se um tremor leve tivesse ocorrido durante a noite.

Logo descartei essa ideia, provavelmente havia sido o grande peso dos livros que sismava em amontoar em uma unica prateleira.

A partir de então, os livros que agora estavam no chão, passaram a significar a prova da desestabilização.

Como escombros de um terremoto, que são a prova de que algo se desequilibrou.

Tudo virou fumaça, virou aquele pó que levanta quando há cimento derrubado.

As certezas caíram por terra, o banco deu quebra, as pessoas se mostraram como realmente são.

Caos: “Confusão geral dos elementos da matéria, antes da presumível criação do Universo.”

E assim criou-se em mim, um universo meu, onde pude me olhar e me entender.

Nada mais está preso no subconciente, tudo está aflorado em mim.

Os desejos dessa nova mulher que sou, brotam pelos meus poros.

Ganho um brilho espesso, que não ofusca o outro, mas não me deixa mais ficar em segundo plano.

Agora e cada vez mais, de igual pra igual.

 

Anúncios

2 Respostas para “.: Desastres naturais em mim

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s